• Barbosa

O Poço - RESENHA



No mês passado esse filme espanhol surgiu “do nada” no Netflix entre os mais assistidos no Brasil, e então começou a pipocar interpretações e teorias sobre a película por todos os lados. Bem, vou dividir essa resenha em duas partes: em um primeiro momento vou falar um pouco sobre a sinopse do filme e expor minha opinião, em seguida falo sobre minha interpretação.


“O Poço” é um filme de terror misturado com ficção-cientifica razoavelmente curto, de apenas 94 minutos, mas que usa muito bem esse tempo para fazer a provocação a que se propõe e que permanece na cabeça do espectador por muito tempo após o final dos créditos. Trata-se de uma enorme torre, ou, como os administradores do local a chamam, um “centro vertical de autogestão” com incontáveis pavimentos. Cada um desses andares é como uma cela com paredes de concreto e abriga dois residentes que são trocados aleatoriamente de pavimento uma vez por mês, sempre mantendo as mesmas duplas.


Até aqui esse edifício já soa suficientemente exótico, no entanto, a situação fica realmente bizarra quando descobrimos que os residentes são alimentados por meio de uma plataforma que parte do topo da torre, inicialmente repleta de comida, e vai descendo para os pavimentos inferiores parando em cada um por um período suficiente para que os residentes se alimentem antes que as sobras desçam para os andares abaixo. Uma das poucas regras do local é que os prisioneiros não podem manter nenhuma comida com eles, ela só está disponível pelo tempo em que a plataforma permanece no andar.


Trata-se de um filme com muitas mensagens e cada espectador vai ter suas próprias interpretações segundo suas crenças e ideologias (políticas e/ou religiosas). Mas acima de tudo “O Poço” expõe a natureza humana em uma situação de conflito extremo e como iniciativas individuais podem mudar o status quo mesmo quando àqueles que detêm o poder se mostram insensíveis às dificuldades das pessoas.


Nota: 8,5/10,0


Trailer: https://www.youtube.com/watch?v=_iEHOuPsRsY


OPINIÃO COM SPOILERS



Bem, para mim “O Poço” representa o capitalismo, uma vez que os recursos estão à disposição de todos, além disso você será recompensado ao final do “experimento”, desde que esteja disposto a fazer o que for necessário. No entanto, no capitalismo você não escolhe a classe social em que nasce, da mesma forma você não escolhe em que andar do poço você irá acordar. E isso faz toda diferença quanto ao nível de acesso aos recursos escassos você terá.


Assim como no nosso mundo, nesse edifício também existem pessoas gananciosas, que desprezam as demais classes e buscam usufruir o máximo possível do sistema, e pessoas altruístas, ao ponto de serem ingênuas o suficiente para querer que àqueles que estão abaixo deles abram mão do pouco que tem acesso.


Por fim, Goreg tenta impor uma partilha mais justa dos recursos, mas faz isso de forma autoritária e acaba causando tantos danos quanto o próprio sistema em si. Creio que a menina no fundo do poço realmente exista e seja a esperança de um futuro melhor nas mãos das próximas gerações, e que o protagonista morre, o que é representado pelo andar subterrâneo.


Existem também interpretações com vieses religiosos deste filme. Por exemplo, são 333 andares, meio caminho entre o 0 e o 666. Assim, o prédio pode representar o purgatório e cada alma que vai parar lá precisa passar por um período de testes que vai determinar para onde ela será enviada.


Enfim, gostaria de saber a interpretação de vocês sobre esse filme.

62 visualizações1 comentário

© 2023 por Amante de Livros. Orgulhosamente criado com Wix.com

  • White Facebook Icon
  • White Twitter Icon
  • Branco Ícone Google+